a25ba0f02d020691809cbe79dc403604

Rubens Valente: o “empréstimo Queiroz” sumiu tambem…

Imperdível o artigo do baita repórter Rubens Valente na Folha de hoje, resgatanto aquilo que imprensa, polícia e Ministério Público parecem ter esquecido:

Investigação sobre o caso
Queiroz poupa o casal Bolsonaro

Rubens Valente, na Folha

O escritor Ivan Lessa (1935-2012) dizia —ou pelo menos dizem que ele dizia— que, a cada 15 anos, o país esquece o que aconteceu nos 15 anteriores. Em tempos de “Justiça seletiva”, uma expressão que está na moda, cabe atualizar a conta para um ou dois anos.

Vejamos o caso de Fabrício Queiroz. O ex-assessor amigo da família Bolsonaro tinha uma conta bancária turbinada com parte dos salários de assessores da Assembleia Legislativa do Rio. Dinheiro público, portanto. Nessa mesma conta foi compensado um cheque de R$ 24 mil em benefício da primeira-dama, Michelle Bolsonaro.

Após um sintomático delay de 38 horas, o presidente saiu em defesa da mulher. Disse que Queiroz devolvera dinheiro de um empréstimo pessoal seu e que o valor total na verdade era maior, R$ 40 mil, quitado em prestações.

Desde então sabemos que a conta alimentada com dinheiro público também alimentou o casal Bolsonaro. Isso posto, o que fez o sistema judicial encarregado de apurar o caso Queiroz? Quebrou o sigilo da primeira-dama ou do presidente? Não. Tentou ouvi-los em depoimento? Não. Ao menos instou o presidente a esclarecer alguma coisa por escrito? Não.

Os responsáveis por esse lapso têm endereço: o Ministério Público Federal no Rio e a Procuradoria-Geral da República em Brasília. Os dois órgãos abriram mão do caso, que acabou enviado ao Ministério Público estadual, preso a limites jurídicos e políticos. Simplesmente não pode intimar Bolsonaro, por exemplo.

Até pouquíssimo tempo atrás policiais, procuradores e juízes sabiam que a mera menção a autoridades com foro privilegiado paralisava a apuração, que devia ser imediatamente enviada ao tribunal competente para prosseguimento. De repente, não é mais assim no Brasil. E nenhuma autoridade constituída reage contra essa proteção ao casal Bolsonaro, que em outro momento histórico seria chamada de blindagem judicial.

a25ba0f02d020691809cbe79dc403604

9 respostas

  1. Ministério Público e Judiciário mancomunados . A direita e a extrema direita são a base desses instituições e protegem os seus parceiros , é uma
    togada , altos funcionários concursados no MP , juntando se a milícia policial de todas as esperas no país . Quem poderá nos socorrer ?.

  2. ESTAMOS ENFRENTANDO UMA QUADRILHA NO PODER ,DELINQUENTES SIMPLES DELINQUENTES COM O INTUITO DE SE BENEFICIAR E BENEFICIAR SEUS PARCEIROS DO COFRE INTERMINÁVEL DO ESTADO (NÓS,PAGADORES DE IMPOSTOS)
    De todos os poderes da República no existe nenhum maior que O POVO NAS RUAS,logo esse POVO a maior vítima da delinquência instalada ,não reage.
    AS RUAS!!! a mudança só virá por nós.

  3. Ainda teremos que evoluir muito para que cheguemos à injustiça. E um dia, quem sabe, daquela injustiça possamos evoluir e chegar a algo que se pareça com justiça. Vai demorar, infelizmente.

  4. “E nenhuma autoridade constituída reage contra essa proteção ao casal Bolsonaro” – nem tampouco a grande midia, incluida a Folha. Porque isso nao aparece na primeira pagina na dobra de cima?

  5. Toda aparato de justiça no Brasil deveria ser extinto e todos que fazem parte desse poder imundo demitidos sem o direito de ingressar no serviço público. O poder judiciário deveria ser reconstruído do zero retirando todo o tipo de poder que essas pessoas tem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *